INÍCIO RESENHAS PARCEIROS CONTATO ESPECIAIS

17 de julho de 2017

Resenha: Boneca de Ossos, de Holly Black

|| Nenhum comentário:
Autora: Holly Black
Editora: Novo Conceito (#irado)
224 Páginas

Sinopse: Poppy, Zach e Alice sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam.
Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo...
Mas, de repente, Poppy conta para os amigos que começou a ter sonhos com a Rainha – e também com o fantasma de uma menininha que não conseguirá descansar enquanto a boneca de ossos não for enterrada no seu túmulo vazio.
Então, Poppy, Zach e Alice partem para uma última aventura a fim de ajudar o fantasma da Rainha a encontrar seu descanso eterno. Mas nada acontece do jeito que eles planejaram... A missão se transforma em uma jornada de arrepiar.
Será que a boneca é apenas uma boneca ou existe algo mais sinistro por trás desses fatos? Poppy está mesmo dizendo a verdade ou tudo isso não passa de um truque para que voltem a brincar juntos?
Se existe mesmo um fantasma, o que vai ser das crianças agora que elas estão nas suas mãos?
Zach, Poppy e Alice têm o costume de brincar juntos há bastante tempo. No passatempo atual, o pirata William, a Lâmina (representado por Zach) está em alto mar com a ladra Lady Jane (representada por Alice). Os dois estão tentando atravessar o Mar Mais Negro, que é defendido por sereias (representadas por Poppy), para poderem executar uma missão imposta pela Grande Rainha, uma boneca de ossos que observa e reina sob todo o universo fantástico que as três crianças criaram. 

A Grande Rainha tem cachos dourados num tom de palha e a pele branca como papel. Ela usa um vestido comprido de tecido fino e vive na cristaleira da casa de Poppy. Quem, por um acaso, desobedecesse às ordens dela seria condenado, teria a família adoecida e morta. Apesar de ter todo esse poder, a rainha é incapaz de sair do móvel. 

Em um dia da semana em que Zach volta da escola, ele sobe para o quarto e percebe que os bonecos não estão onde ele havia deixado de manhã. Apavorado, sai a procura deles, mas logo percebe que o pai jogou todos fora, porque acha que o filho já está grandinho demais para brincar e deve se envolver mais com os meninos da escola. 

Zach fica furioso, mas não tem coragem de contar às amigas que não possui mais os brinquedos. Ele acaba por decidir falar a elas que simplesmente não quer mais brincar. Mesmo sem querer, acaba se tornando um menino um pouco arrogante e chato por isso. 

Poppy é quem mais fica afetada com toda essa mudança. Ela chega a dizer para Zach que, se ele quisesse, ela tiraria a Grande Rainha da cristaleira e ela contaria todos os segredos que Zach pudesse querer saber sobre o passado de William, a Lâmina e quaisquer outros detalhes, já que ela sabia de tudo. Mesmo assim, Zach pede desculpas e não aceita a oferta. 

Porém, depois de um tempo, Alice e Poppy aparecem na casa de Zach a noite para contar que Poppy sonhara com a boneca e que, se a menina não enterrasse os restos mortais dela, poderia sofrer as consequências. Assim, depois de muito custo (porque Zach não fica convencido de primeira), os três partem em uma jornada real para resolver esse mistério. Será que ela é só uma boneca ou há algo misterioso por trás dela?

Boneca de Ossos, Holly Black | Foto: Luiza Lamas
Dos três personagens principais, o que mais gostei foi a Poppy. Ela é decidida, acredita em si mesma e não volta atrás no que quer. Acho que o fato de ela ficar um pouco excluída entre os três, às vezes, também me ajudou nessa decisão, porque Zach e Alice em alguns momentos foram irritantes. 

Alice, na maior parte do tempo, não acredita em Poppy e questiona muito para si mesma se Poppy não está inventando tudo aquilo para que eles continuem brincando juntos, o que também acontece com Zach. Isso acaba prejudicando consideravelmente o desempenho dos três na jornada e afetando a própria Grande Rainha (se eu contar mais vai ser spoiler, vocês vão precisar ler). 

Algo que quero destacar aqui é o quanto o pai de Zach é machista. Não sei se foi intenção da autora construir um personagem assim, mas além de ele ter jogado os brinquedos do menino fora por estar grandinho demais (eu sei que se isso não tivesse ocorrido, a história do livro não existiria, mas isso não exclui a característica do personagem), ele também ressaltou que Zach, como menino deveria proteger as meninas. Vários "me poupe" para isso.

Uma sacada que achei muito boa por parte da Holly Black é ela ter conseguido mesclar entre a narrativa da aventura das crianças e contar, ao mesmo tempo, como eles estão crescendo. Isso significa que o corpo de Alice está mudando, que os meninos estão dando mais atenção para Zach na escola e que as meninas estão ficando estranhas com ele. Aos poucos, os três vão descobrindo juntos o que todas essas mudanças significam. 

O livro também é cheio de referências a outras histórias (como As Crônicas de Nárnia e O Senhor dos Anéis) e ilustrações que ajudam a visualizar a leitura. A fonte escolhida para o livro é grande, o que também ajuda a terminá-lo de mais rápido. 

Boneca de Ossos, página 13 | Foto: Luiza Lamas

Esta é uma história para quem gosta bastante de aventura e um pouco de mistério, que pode agradar tanto os mais novos, quanto os que estão acostumados com outros tipos de leituras. 
"Há pessoas que fazem coisas e pessoas que nunca fazem... Que dizem que vão fazer, mas simplesmente não fazem. Eu queria ter uma missão. E, agora que tenho uma, não vou recuar. Não vou para casa até terminá-la." - Pág. 88.  
Vocês já leram esse livro? O que acharam? Contem aí nos comentários! Gostaram da resenha?

Um beijo e foca na leitura!



14 de julho de 2017

Os livros da Lu para a #MLI2017. Por que ela ainda tenta?

|| Nenhum comentário:
Arte: Fotor e Luiza Lamas | Fotos: Luiza Lamas 

O meu primeiro pensamento quando decidi participar da Maratona Literária de Inverno deste ano foi "Por que eu ainda tento?". Todos os anos desde que o Victor, do Geek Freak, a criou, eu nunca cumpri todos os desafios sugeridos. Massss, como a gente é persistente (ou trouxa), esse ano vou tentar de novo.

Desta vez, a Maratona, que acontecerá do dia 16 a 30 de julho, será dividida em três níveis: principiante, intermediário e hardcore e há três desafios para cada uma delas. Vejam:


Nível principiante: 

- Ler um livro com capa azul; 
- Ler um livro com menos de 200 páginas; 
- Ler um livro que você comprou pela capa. 

Nível intermediário: 

- Ler um livro escrito por uma mulher; 
- Ler um livro sem saber a sinopse ou do que se trata; 
- Ler um livro nacional. 

*Quem participar deste nível, terá que cumprir os desafios de principiante + intermediário. 

Nível hardcore: 

- Ler um livro que se passe durante um período histórico importante; 
- Ler um livro com pontuação no título; 
- Ler um livro que é muito criticado ou que alguém não gostou. 

*Quem participar deste nível, terá que cumprir os desafios de principiante + intermediário + hardcore.

Eu separei livros para participar do nível hardcore, porque eu sou louca, mas já aviso que muito provavelmente não conseguirei cumprir tudo, porque um dos livros é enorme. Acompanhem:

Foto: Luiza Lamas
Estes livros cumprem os desafios 1 e 2, respectivamente, do nível principiante. O Menino da Lista de Schindler eu ganhei de aniversário da Joy e Como eu realmente 2 eu comprei na Bienal de 2016 e está autografado. Como eu não tenho costume de comprar livros pela capa, vou pular o desafio número 3.


Foto: Luiza Lamas
Estes livros, da direita para a esquerda, cumprem todos os desafios do nível intermediário. O Conde Enfeitiçado eu consegui por conta de uma troca no Skoob; A Canção do Sangue eu ganhei no Leya na Estrada de 2016 e não faço a mínima ideia do que se trata (ele também é o livro enorme que eu havia comentado, hahaha). Já Dom Casmurro eu quero ler porque me sinto muito perdida por ser um clássico e eu não ter minha opinião sobre ele ainda. Shame. 

Eu poderia ter usado o Como Eu Realmente 2 na categoria de "um livro escrito por uma mulher"? Poderia sim, mas Julia Quinn é diva e eu quero rever Os Bridgertons logo ❤. 


Foto: Luiza Lamas
E por último, estes dois livros cumprem todos os desafios do nível hardcore. Brasil: Nunca Mais é um relato sobre a Ditadura Militar no Brasil (1964-1985), um período histórico importante (mas não bom) e também tem pontuação na capa. Já Hamlet, pelo que eu li no Skoob, é muito criticado. Pessoalmente, me interessei por ele depois de ter lido A Lista Negra. Eu fiquei com vontade de entender um pouco mais a mente do personagem Nick e esse era o livro preferido dele.

O total de páginas que me propus a ler foi 2070, o que resulta em mais ou menos 148 páginas por dia. Será que vai dar? Hahahaha, me deem forças!

E vocês, vão participar da Maratona? Qual nível escolheram? O que vão ler? 

 Um beijo e foca na leitura!

13 de julho de 2017

Este blog ainda existe: algumas explicações

|| Nenhum comentário:
Foto: Luiza Lamas
Se vocês acessarem o blog além dessa postagem, perceberão que a última publicação que fizemos foi dia 16 de março de 2017. Ou seja, faz quase quatro meses que não trouxemos nenhum conteúdo para vocês. Também é verdade que, até mesmo antes disso, não estávamos nos dedicando da forma como deveríamos. Eu acho que conforme a gente amadurece, vai conhecendo outros caminhos e escolhendo fazer outras atividades com as quais nos identificamos mais. E, em partes, foi isso o que aconteceu.

Gradativamente, fui perdendo a vontade de ler. Eu olhava para a minha estante e via um monte de livros que comprei há um tempão e não sentia vontade de começá-los, porque toda a minha energia e expectativa para eles já tinha passado. Como consequência, a quantidade de resenhas aqui diminuiu drasticamente e elas passaram a ser somente sobre os livros que tínhamos um compromisso, os de parceria. Conversando com a Nic, ela disse que, apesar de ter tempo, também não anda muito com vontade de ler (mas ainda quer comprar livros, hahaha). 

Eu faço Jornalismo e, em abril deste ano, consegui estágio. Minha rotina, quando não estava de férias, era sair de casa 6h e chegar lá para as 20h. Com isso, o meu tempo livre, na maioria das vezes, era para estudar e fazer as obrigações nossas de cada dia (ou essa foi uma desculpa que eu arranjei para não voltar a ler - talvez um pouco dos dois). 

A Joy tem se dedicado cada vez mais aos desenhos e às pinturas (aliás, vocês sabiam que ela curte esse ramo?). Eu acho lindo ver como ela se empenha para crescer e aprender cada vez mais e seria muito chato chegar e dizer "ei, mas você tem o blog também, ele veio primeiro", porque claramente essa não é a prioridade dela, e é ótimo que não seja, porque talvez os desenhos a façam mais feliz. 
Galáxia|Desenho e pintura: Joyce Pereira|Foto: Joyce Pereira
Apesar de não ler, eu continuava a assistir a alguns canais no YouTube (quero fazer menções honrosas à Tatiana Feltrin, do TLT, à Tamirez, do Resenhando Sonhos e à Taciele Alcolea, obrigada por me inspirarem sempre ❤) e acabei percebendo que se a gente quer algo, somos nós que temos que fazer. Eu assistia aos canais delas, prestava atenção em todo o conteúdo que elas produzem e pensava "eu quero isso no meu blog; eu quero essa interação com as pessoas que elas têm; eu quero essa vontade e dedicação". E isso, aos poucos, foi o que me fez voltar aqui e escrever essas palavras. Porque eu estou com vontade de voltar a publicar de novo.

É inútil eu prometer postagens toda semana, resenhas de certos livros ou determinados conteúdos, porque eu ainda não tenho extrema segurança de como o blog vai voltar a acontecer. Por enquanto, quero escrever conforme eu sentir que está bom e aos poucos, vou pegar mais confiança. 

Obrigada por terem lido tudo isso e por estarem conosco apesar dos altos e baixos.  

Um beijo e foca na leitura!

16 de março de 2017

Encontro de Fãs de Romance de Época 2017

|| Nenhum comentário:
Heey pessoal, como vocês estão? Com vocês as datas dos encontros de fãs de romance de época que a Editora Arqueiro sempre organiza. A maioria deles irá acontecer simultaneamente em várias cidades do país, com brincadeiras, sorteios e informações sobre os próximos lançamentos do gênero. Então aproveite e se programe!


Confira todas as datas e locais abaixo. Para mais informações, basta clicar no nome da cidade que você será redirecionado para a página do evento no Facebook :D

Norte
Rio Branco (AC): 08/04, 15h - Nobel Via Verde Shopping 
Manaus (AM): 08/04, 15h - Saraiva Manauara Shopping
Boa Vista (RR): 08/04, 15h - Nobel Roraima Garden Shopping
Porto Velho (RO): 08/04, 15h - Leitura Porto Velho Shopping 
Macapá (AP): 08/04, 17h - Leitura Macapá Garden Shopping
Belém (PA): 09/04, 15h - Saraiva Boulevard Shopping 
Palmas (TO): 09/04, 15h - Leitura Shopping Capim Dourado

Nordeste
São Luís (MA): 08/04, 15h - Leitura São Luís Shopping
Teresina (PI): 08/04, 15h - Leitura Shopping Rio Poty
João Pessoa (PB): 08/04, 15h - Leitura Manaíra Shopping
Recife (PE): 08/04, 15h - Saraiva Riomar Shopping Recife
Maceió (AL): 08/04, 15h - Leitura Parque Shopping Maceió 
Aracaju (SE): 08/04, 15h - Livraria Escariz
Salvador (BA): 08/04, 15h - Saraiva Salvador Shopping 
Fortaleza (CE): 09/04, 15h - Saraiva Shopping Iguatemi
Natal (RN): 09/04, 15h - Saraiva Shopping Midway Mall

Centro Oeste
Goiânia (GO): 08/04, 15h - Saraiva Passeio das Águas Shopping
Brasília (DF): 08/04, 15h - Saraiva Shopping Conjunto Nacional
Campo Grande (MS): 08/04, 15h - Saraiva Shopping Bosque dos Ipês 
Cuiabá (MT): 09/04, 15h - Janina Pantanal Shopping

Sudeste
Belo Horizonte (MG): 08/04, 15h - Leitura Pátio Savassi
Vila Velha (ES): 08/04, 15h - Saraiva Shopping Vila Velha
São Paulo (SP): 08/04, 15h - Saraiva Morumbi Shopping
Campinas (SP): 08/04, 19h - Shopping Iguatemi 
Rio de Janeiro (RJ): 09/04, 15h - Saraiva Shopping Rio Sul

Sul
Curitiba (PR): 08/04, 15h - Saraiva Crystal Plaza Shopping
Florianópolis (SC): 08/04, 15h - Saraiva Beiramar Shopping
Porto Alegre (RS): 09/04, 15h - Saraiva Praia de Belas Shopping Center 

Para encerrar, que tal relembrar as resenhas de O Duque e Eu e Ligeiramente Casados, primeiro livro das séries Os Bridgertons e Os Bedwyns, respectivamente?? 

Até mais e Foca na Leitura!

2 de março de 2017

Falando Sobre: Para Sir. Phillip, Com Amor

|| 2 comentários:
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
276 Páginas 

Sinopse: Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante. Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências. Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder. Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos.
Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar?
Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços.
Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro.
*Esta resenha contém spoilers de Os Segredos de Colin Bridgerton*

Após o casamento de Penelope Featherington, Eloise Bridgerton está se sentindo um tanto quanto sozinha. Ela sempre achou que ia passar a vida solteira junto com a amiga, mas, agora que está claro que isso não irá acontecer, Eloise começa a se questionar se ainda há tempo para arranjar um marido. Quando a prima, Marina, morre, ela decide escrever uma carta para o agora viúvo Phillip Crane, oferecendo condolências. 

Sir. Phillip nunca amou a esposa. Eles não tinham muito em comum, na verdade. Ela passava a maior parte do tempo no quarto, chorando, e nunca sorria ou gargalhava. O casal também era distante dos filhos gêmeos (duas pestes), já que Phillip, que é botânico, só gosta de ficar na estufa, cuidando de plantas. Na verdade Phillip usa a estufa para fugir de problemas relacionados à família e ao amor, o que me irritou muito, mas vamos entrar neste quesito mais tarde. 

Quando ele, no período de luto, recebe uma carta de Eloise Bridgerton, percebe aí uma grande oportunidade de arranjar uma nova esposa para finalmente dar um jeito nos filhos rebeldes e em todos os problemas da vida dele. Então, após um ano de troca de correspondências, convida-a para passar um tempo com ele, e quem sabe, se os dois se entenderem, casarem um pouco depois. E Eloise aceita. 

Para Sir Phillip, Com Amor, Julia Quinn
Este é um dos livros mais improváveis da série. Quando eu uso a palavra improvável, quero dizer que, na minha opinião, em sã consciência, dificilmente Eloise e Phillip se apaixonariam na vida real, mesmo naquela época (a história começa em 1823), por conta do choque de personalidade gritante dos dois. 

Enquanto Eloise é forte, determinada e extrovertida, só o que Phillip sabe fazer é empurrar os problemas dele para os outros. Mesmo quando os filhos praticamente imploram para passar uma tarde com ele, a resposta é não e o que acontece? Phillip corre para a estufa. Ao mesmo tempo em que ele quer mudar as atitudes como pai, porque sabe que elas são péssimas, não tem coragem suficiente para fazer isso acontecer. 

O grande problema é que isso ocorre durante praticamente todo o livro, ou seja, eu não consegui identificar uma mudança gradativa na personalidade do personagem e nem uma construção do romance dos dois. Muitas vezes, e essa foi outra questão que me irritou muito, Phillip só quer sexo. 

Por mim, o livro é salvo por Eloise, porque em vários momentos eu fiquei pensando "esquece esse cara, você merece um melhor" e pelos irmãos dela, que roubam a cena em um determinado momento.

Estou cada vez mais apreensiva por estar chegando ao fim da série. Sabe aquele sentimento de "quero acabar porque a história é muito boa, mas não quero chegar ao final porque não quero ter que dar adeus a esses irmãos maravilhosos?", é o que eu estou sentindo, hahaha :')

É isso, o que acharam? Deixem suas opiniões nos comentários!

Um beijo e foca na leitura!